Abono para Falhas

Não se consideram rendimentos do trabalho dependente os abonos para falhas devidos a quem, no seu trabalho, tenha de movimentar numerário, na parte em que não excedam 5% da remuneração mensal fixa.

Ou seja, o abono para falhas pago a um trabalhador que no desempenho da sua função movimente numerário, até ao montante equivalente a 5% da sua remuneração mensal fixa, está isento de IRS.

Artigo 2º, nº 3, c) CIRS

O abono para falhas, até ao limite acima referido, encontra-se igualmente isento de descontos e contribuições para a Segurança Social.
 

O abono para falhas deve ser pago apenas 11 meses por ano, ou seja, nos meses de trabalho efectivo.

Código do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares
 

Esta nota é apenas informativa e não responsabiliza os seus divulgadores. Para uma informação mais concreta deve consultar a Lei.